29 de mai de 2016

O Jeitinho Brasileiro e a corrupção endêmica no Brasil



Recentemente os jornais noticiaram a Operação Lava Jato, que se tornou a maior investigação sobre corrupção conduzida até hoje no Brasil. A Operação descobriu a existência de corrupção na Petrobras, que envolvia políticos de vários partidos ainda em exercício do cargo. A corrupção no Brasil não é algo novo para os brasileiros, mas devido aos casos consecutivos, colocam-se em dúvida a origem dela e se é possível combatê-la.

Não gostar de política permite que os políticos se tornem mais corruptos, isso porque as figuras do governo se tornam mais poderosas ao se deparar com uma sociedade alienada que fecha os olhos para os processos políticos existentes, deixando dessa forma a corrupção acontecer na surdina. O chamado analfabeto político, pessoa que não participa dos acontecimentos políticos, também se torna um corrupto pois permite que nasça o pior de todos os bandidos, o bandido que motiva os outros bandidos, o político corrupto.

A corrupção na sociedade brasileira ocorre desde a época da colônia portuguesa. No ciclo do ouro no Brasil quando existiam grandes mineradores, as maneiras de burlar as leis estabelecidas pela Coroa de Portugal se reinventavam, quando Portugal instalou as Casas de Fundição, que validava o ouro produzido na colônia, as formas de contrabandear ouro aumentaram. Dessa forma, a história mostra que a corrupção no Brasil é endêmica, o Jeitinho Brasileiro que é motivo de orgulho e de vergonha ao mesmo tempo instiga as corrupções nas pequenas esferas na sociedade. Os atos de colar na prova, sonegar impostos, falsificar carteirinha de estudante, entre muitos outros, tornam-se normais. Estas pequenas corrupções são espelhos do comportamento desonesto dos políticos brasileiros.

No Brasil, as leis que deveriam punir aqueles que não se comportam corretamente na sociedade são ineficazes, surgindo dessa forma as leis simbólicas que não são aplicadas da maneira correta. Aquela velha mania do brasileiro de dizer que a lei "não pegou" se encaixa perfeitamente nessa situação pois mostra a verdadeira face do povo e o porque a lei não é executada nas grandes esferas públicas. É possível combater a corrupção no Brasil, entretanto é preciso enxergar o problema em dois níveis, a base que é a formação do cidadão e a execução das leis. É preciso, primordialmente, basear a educação brasileira em valores de honestidade, solidariedade e lealdade e conjuntamente reformar o Poder Judiciário, desde a tolerância às leis até a imunidade dos magistrados.

12 de dez de 2015

Vírus Zika


Neste ano de 2015 o Brasil sofreu com um grande aumento de casos do vírus Zika. Um vírus que poucos sabiam sobre, pois não haviam notificações de infecções do Zika na população brasileira.

Ao longo da História, muitas doenças foram introduzidas na América, grande parte devido ao próprio descobrimento da América, que trouxe doenças oriundas da Europa e também do tráfico de escravos entre África e a América, que também colocou novas doenças em território americano.
Dessa maneira,  varíola, sarampo, tuberculose e muitas outras doenças de transmissão direta (ou contagiosas) foram introduzidas nas colônias americanas.
A febre amarela foi trazida com a escravidão e, com ela, chegou o Aedes aegypti, principal transmissor do vírus da febre amarela e personagem principal deste artigo.

vírus Chikungunya
Devido à um mundo globalizado, em que viagens entre países são muito fáceis e rápidas, novos vírus entram e saem de continentes e países. Recentemente, o Brasil ganhou mai dois novos inimigos, o vírus Chikungunya, introduzido em julho/agosto de 2014, após ter entrado no Caribe em dezembro de 2013 e, anteriormente, ter causado grandes epidemias na África e Ásia desde 2004, e o vírus Zika, que provavelmente chegou ao Brasil na época da Copa do Mundo de 2014 no Brasil.

O vírus Zika é um flavivírus de RNA de fita simples de sentido positivo, ou seja, seu material genético é lido diretamente pela célula hospedeira, gerando novos vírus (o vírus zika é citado na comunidade científica como ZIKV) transmitido pelo mesmo mosquito que transmite o vírus da Dengue e Chikungunya, o Aedes aegypti. O Zika infectava originalmente apenas macacos na Floresta Zika (daí o nome do vírus), localizada em Uganda, na África.

vírus da Dengue
O vírus da dengue e Zika estão relacionados, já que são transmitidos pelo mesmo mosquito, possuem
sintomas parecidos, e possuem o mesmo ciclo de doença (o mosquito pica uma pessoa que possui o vírus, o vírus se multiplica dentro do mosquito e em seus ovos, e por fim, pica uma pessoa saudável, transmitindo a doença.)

Acompanhando as últimas notícias, você já deve ter percebido que existe casos de microcefalia que coincidem com os casos de Zika. E o que assusta nestas notícias é que pode não ser apenas coincidência e sim uma verdadeira relação entre o Zika e a microcefalia. Não se sabe ainda se esta relação realmente existe, mas se for confirmada, será um problema gigante. Além da microcefalia, quadros mais severos, que incluem o comprometimento do sistema nervoso central (síndrome de Guillain-Barré, mielite transversa e meningite), estão sendo associados ao vírus Zika, evidenciando o desconhecimento que temos sobre essa doença.

Como foi esclarecido, o vírus Zika é extremamente perigoso, e portanto é precisamos nos proteger de todas as formas, não deixando acumular água parada para o mosquito não se proliferar, usando repelente frequentemente e usando roupas compridas.

4 de dez de 2015

Uma breve explicação sobre o Paradoxo dos Gêmeos

A situação que foi apresentada e explicada anteriormente remete ao paradoxo dos gêmeos, que o mais famoso experimento idealizado da teoria da relatividade. Neste suposto paradoxo, temos um par de gêmeos, nascidos ao mesmo tempo, eles têm a mesma idade. Um dos gêmeos é colocado numa nave espacial que viaja 99.9% da velocidade da luz, e parte em direção a um determinado planeta. O outro gêmeo será mantido na Terra.

Assim, é feita a seguinte pergunta: Como se compara o ritmo de envelhecimento entre os gêmeos? E a resposta é pela dilatação do tempo. Pelo fato de o irmão que está na nave espacial estar se movimentando numa velocidade próxima a velocidade da luz, ele as horas em um relógio passar mais devagar, ou seja, o tempo passa mais devagar para ele. Já o gêmeo que ficou na Terra verá as horas em um relógio passar normalmente, ou seja, o tempo passa mais rápido do que para o seu irmão.
O gêmeo que está viajando próximo a velocidade da luz envelhece mais lentamente do que o que ficou na Terra. Então, depois de cinco anos de viagem, o gêmeo volta a Terra com cinco anos de idade. Já o seu irmão terá 110 anos de idade.
Este evento pode ser demonstrado matematicamente. Considerem dois gêmeos idênticos, A e B. A permanece na Terra, e B faz uma viagem para a estrela  , situada a distância L=4 do Sistema Solar, dentro de uma espaçonave que viaja a 80% da velocidade da luz. A diferença de idade pode ser calculada da seguinte maneira:

Do ponto de vista do gêmeo A, seu irmão viaja por um tempo L/u=5 anos



Portanto, a ida e a volta durou 5 x 2 = 10 anos, assim A envelheceu 10 anos entre a partida e o retorno de B. Já B observará o seu relógio e calculará o tempo a partir da observação, ou seja, é o tempo próprio.



Então, B envelheceu 3 x 2 = 6 anos, portanto B está 4 anos mais jovem do que o seu irmão A.
Mas, na verdade não nenhum paradoxo, pois conforme o princípio da relatividade, os dois observadores podem ter pontos de vista diferentes se mantiverem em movimento uniforme. Porém, quando a nave de B está voltando para a Terra, a situação se altera, e a simetria entre eles se quebra, o que resulta numa diferença de tempo transcorrido para cada gêmeo, e assim, quando B chega à Terra, apenas A envelheceu 10 anos.


Resenha sobre relatividade

Quando se ouve falar sobre as teorias da Relatividade Restrita e Geral, logo surge o nome de Albert Einstein. Mas é importante entender que o desenvolvimento destas duas teorias percorreu um caminho bem longo, e apenas foi consolidada graças a grandes esforços de brilhantes cientistas de diversas épocas.

A ideia de relatividade começa antes de Cristo, um dos mais relevantes pensadores talvez seja o filósofo grego Zenão, de Eléia (500 – 451 a.C.), que foi o pioneiro no estudo da relatividade. Zenão elaborou uma situação que ficou conhecida como paradoxo dos bastões em movimento, e desde então as dificuldades da descrição dos corpos em movimento ocuparam mentes de outros séculos.

O físico italiano Galileu Galilei foi o primeiro cientista que formou uma ideia sólida sobre o assunto da relatividade. Ele desenvolveu uma ideia de inércia, um princípio de relatividade, e o teorema das somas das velocidades.

Avançando um pouco no tempo, chegamos a Isaac Newton (1643-1727). Ele elaborou concepções sobre o tempo, que para ele, era absoluto; o espaço, entendido como um espaço vazio, que moldava os eventos que acontece no universo; as suas três leis; e a gravitação universal.

James Clerk Maxwell também foi muito importante para o desenvolvimento da Relatividade Restrita e Geral, foi ele que estabeleceu a relação entre o eletromagnetismo e a luz.
A Relatividade Restrita surge devido à incompatibilidade entre Relatividade de Galileu e Leis de Maxwell, surgindo várias hipóteses para resolvê-la. Apenas com Einstein isso vai ser resolvido, respondendo também as contradições das experiências de Michelson-Morley, com os dois postulados.


A Relatividade Geral surge devido à inquietação de Einstein a respeito das limitações da Relatividade Restrita quanto a referenciais com aceleração, e para responder as dúvidas que ainda pairavam sobre a constância da velocidade da luz e os conceitos de espaço e tempo. Nesta teoria, é respondidas todas essas perguntas e também altera o conceito de gravidade, tornando-a como um efeito da deformação da geometria do espaço.